loading
10 Fev

Somos Corpo, Mente e Espírito

#2 Somos corpo mente e espirito

“Nascemos para ser felizes”

Começa hoje a rubrica “Nascemos para Ser Felizes”.

O texto de hoje é sobre o nosso equilíbrio físico e espiritual. Espero que gostem, comentem e partilhem.

Somos Corpo, Mente e Espírito

 

Consumimos alimentos sólidos e líquidos, mas também amor, carinho, alegrias, tristezas, frustrações e desilusões…

Pois é: nós não alimentamos só o corpo. Alimentamos também a mente e o espírito.

Felizmente, tanto num caso como no outro, não dependemos fundamentalmente do dinheiro. As maçãs com muito bom aspeto e do mesmo tamanho – que habitualmente estão à venda nas prateleiras dos supermercados – são mais caras que outras de tamanho irregular, mas não é por isso que têm mais nutrientes.

Assim é com as pessoas:

Uma pessoa muito bem apresentada e até rica, não é necessariamente melhor que uma pessoa aparentemente menos vistosa e com poucos recursos.

A índole e os atos é que determinam o valor dos seres humanos e não a sua posição social ou valor patrimonial: são esses valores que devemos procurar e cultivar.

Quanto ao valor espiritual, se é um religioso praticante, ótimo, se não, o importante será direcionar a sua consciência para aceitar as realidades dos outros e assim poder dar e receber o conhecimento que quer e pode partilhar para ter um espírito saudável.

Eu acredito que todos os seres vivos estão na sua origem conectados com o universo e, portanto, com o Criador.

Manter essa união ou separação são opções que cada um de nós pode tomar.

Voltando ao que comemos: Já li algures que a maioria das “doenças da idade”  são consequência  do abuso habitual dos limites do nosso corpo.

É importante ter uma atitude equilibrada com os alimentos e bebidas que ingerimos, pois o corpo precisa diariamente dos nutrientes corretos para ser saudável e envelhecer o mais lentamente possível. Os vícios como o tabaco, o excesso de álcool e muitos outros, cobram um preço muito alto ao nosso corpo.  Previna-se. Alimente o seu corpo, mente e espírito de forma equilibrada, é a sua saúde que está em jogo.

Até à próxima quarta feira, às 21H, no Facebook e no Instagram.

– Nascemos para ser felizes –

Emanuel

#nascemosparaserfelizes #AboutEmanuel #Emanuel

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscrever

( 4 )
  • A. Carvalho

    Cheguei agora: — gostei!

    Responder
  • Ricardo Lopes

    Tudo tem uma consequência a prazo. Um dos cuidados mais importante para o nosso corpo, será mesmo com a alimentação. A Nossa cozinha é rica e variada em sabores e alimentos. Deveremos respeitar a pirâmide dos alimentos, quer na necessidade, quer na importância dos mesmos. Aliado a uma actividade fisica que pode não ser intensa mas que seja regular. Deveremos cuidar do nosso corpo o melhor possível e evitar excessos… E o espírito? Dou muito valor ao alimento espiritual não praticando em concreto nenhuma religião mas tento sempre falar com Deus.

    Por vezes, penso na perfeição que é o corpo humano. Uma máquina equilibrada que tem limites mas recursos infinitos. E daí se extrai bons músicos, futebolistas, pintores etc. Cada “máquina” tem limites diferentes e com isso capacidades diferentes. A vaidade de alguns que se querem elevar aos demais, utilizando as suas insígnias, para se projectarem, resume bem um ponto: não têm consciência do que é a vida no seu fundamento e com isso desequilibram a sociedade.

    Não leve a mal, mas nos últimos textos tem sido possivel contextualizar os mesmos com alguns temas seus. A razão é simples tem um repertório variadissimo. Tem uma música de 1996- Rico sem dinheiro, quem ouvir a mensagem da música (em concreto o refrão) irá intender uma verdade, A qual dum modo implícito refere neste texto, Vale mais saúde da boa do que dinheiro com fartura.

    Para finalizar, 20.000 pessoas prova uma verdade . A mensagem chega de uma forma marcante e que nos faz manter por cá.

    Cá estarei para a próxima quarta-feira

    Responder
    • Emanuel

      Amigo Ricardo, obrigado pelo seu comentário! Tem razão em tudo o que diz.
      Acho fantástico o facto de se lembrar de músicas minhas antigas e referi-las no presente com tão boa contextualização.
      Eu, por cá, acredito na força das palavras e naquilo que elas conseguem transmitir aos outros – pelo que hoje apresentarei um novo texto!
      Uma vez mais, muito obrigado pela sua presença, simpatia e amizade! Grande abraço

      Responder