loading
19 Out

Como foi o lançamento do livro

 

Sim, ontem foi um dia muito importante na minha vida: o lançamento do meu romance biográfico “Nascemos para ser Felizes – A vida de Emanuel contada pelo próprio”. Numa sessão fortemente coberta pela comunicação social e onde estiveram várias pessoas que me são queridas, foi então apresentado este livro, com texto da Elizabete Agostinho e edição da Guerra e Paz.

Porque acho que é necessário, e porque alguns de vocês poderão não ter estado presentes, apresento aqui o meu discurso de ontem:

“Todos vocês sabem que sempre pautei a minha vida pela discrição.

Sempre recusei expor em demasia a minha vida privada, talvez pelo facto da minha vida pública ser tão intensa e absorvente, e por querer ter um pequeno oásis de paz onde posso voltar sempre que preciso. Ou… talvez por acreditar que a minha formação musical era suficiente para desempenhar as minhas funções como operário da música, não precisando por isso de expor a minha vida privada em beneficio da minha vida profissional.

Mas para este livro existir na forma que eu pretendia, tinha de alterar esta minha forma de pensar e de agir, nem que fosse uma única vez. 

Porquê? 

Porque só aceitando contar de forma genuína e verdadeira alguns factos da minha criação e depois da minha evolução, enquanto homem e enquanto músico, poderia dar a conhecer a história de vida do homem que está por trás do artista. Aos meus fãs e aos que não o são, mas que vão ler este livro, eu queria mostrar que a minha vida foi igual à de muitos homens e mulheres que nasceram pouco depois da segunda guerra mundial. 

Ou seja: uma vida igual à de muitos homens e mulheres da minha geração. Os nossos pais tinham conhecido a fome e muitas outras privações durante aqueles terríveis anos de guerra e o objetivo primordial da maior parte dos nossos progenitores era que os seus filhos não passassem pelo mesmo. Eles queriam que os seus filhos se sentassem a uma mesa farta, tivessem roupa e calçado no armário   e recebessem uma instrução que lhes permitisse alcançar algum conforto financeiro. E, de facto, com o seu querer e exemplo, fizeram emergir uma raça de homens e mulheres que viria a corresponder aos seus anseios. 

E o destino veio dar uma ajuda!

Esta nova geração (da qual me orgulho de fazer parte) foi abençoada pelo 25 de abril de 1974, numa altura em que começavam a ser donos do seu destino. Foi a cereja em cima do bolo! 

Estes jovens homens e mulheres tinham agora ao seu dispor a democracia e as condições ideais  para nunca passarem pelas dificuldades que os seus pais passaram. Só precisavam de uma coisa:  trabalhar, trabalhar muito… para poderem comprar uma casa, um carro, para poderem pagar uma melhor formação para os seus filhos, etc.

Ao ler este livro, vai ser possível compreender porque é que tantas crianças (tal como eu) começavam a trabalhar com apenas 10 anos de idade, como era necessária a luta e a dedicação ao trabalho para conseguir concretizar sonhos,   o seguir em frente depois de cometer erros, o querer dar o melhor aos filhos, e o não ter medo de arriscar para conseguir ir mais longe. 

Resumindo: Este livro não pretende salientar a vida de alguém que é famoso, pretende relatar a vida de um homem que foi adolescente quando deveria ter sido criança, que foi homem quando deveria ter sido adolescente, que acreditava que nasceu para ser feliz e que fez o que estava ao seu alcance para o conseguir e que, todos os dias… é grato ao Céu por ter conseguido. 

Espero que o livro seja do vosso agrado! E não se esqueçam: Nascemos para ser felizes!”

 

 

 

 

Beijinhos e abraços

Até à próxima quarta!

#aboutemanuel #emanuel #blog

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscrever

( 7 )
  • Ricardo Lopes

    Já tive o enorme gosto de ler na íntegra.
    Livro fácil, muito bem estruturado que permite que sua interpretação seja feita num modo simples e absorvente.
    Entraria por ai, a forma absorvente de uma história rica em vivências e decisões. Sem dúvida que se distingue o Homem do artista.
    Ali está o início até aos tempos de hoje. E fica a sensação que nada mudou. Os valores permanecem intactos. Bastou observar a forma como abordou cada pessoa que se dirigia a si, naquele momento tão especial. Da minha parte, agradeço palavras simpáticas que me endereçou no momento de autografar o meu livro. Sem dúvida um momento memorável e de muita alegria.
    Finalizo com os seguintes pontos simétricos – coisas do destino –

    Morou na Ajuda, Ford, irmão Luis e a voz permanente no cérebro que pede para ser transmitida. Entre outras…

    Um abraço forte e mais uma vez um agradecimento pela sua amabilidade.

    Responder
    • Emanuel

      Não tem que agradecer Ricardo :) Foi um gosto ter a sua presença num dia tão importante para mim! Afinal de contas, temos partilhado muitas mensagens ao longo destes últimos meses. E sabe que mais? A coincidência dos pontos simétricos é evidente… Há mesmo coisas do destino não é? Muito obrigado e grande abraço! E não se esqueça (eu acho que não): nascemos para ser felizes!

      Responder
  • […] "Sim, ontem [dia 18] foi um dia muito importante na minha vida: o lançamento do meu romance biográfico", começou por dizer o cantor no seu blogue. […]

    Responder
  • Margarida Salvador

    Olá! Adorei a apresentação do teu livro! Foi notório o carinho, a admiração e o respeito de todos os intervenientes. O apoio sereno da família. Foi muito bom! Já estou a ler o livro, devagar para absorver tudo. O que li já me fez vir as lágrimas aos olhos. É um relato muito emotivo. Tendo eu nascido no início dos anos sessenta, também no campo, partilho muitas das vivências relatadas por ti. A luta dos meus pais para dar uma vida melhor aos filhos, também nos fez deslocar, embora muito menos km. Os valores familiares transmitidos. Neste fim de semana vou ler tudo. Depois te digo tudo o que senti. Mais uma vez Obrigada! Que Deus te proteja. Beijinhos

    Responder
    • Emanuel

      Margarida, és incansável! Fiquei estupefacto pela tua presença no lançamento do livro… Tantos km só para assistir! Tanta admiração e carinho que sinto por ti… Muito obrigado! Fico a aguardar o teu feedback em relação ao livro. Obrigado. Muito obrigado! Beijinhos

      Responder
  • Ana paula dantas

    Nascemos para sermos felizes…. Assim espero que o seja.
    Queria tanto lá ter estado. Mas quero comprar o livro, talvez seja a minha prenda de Natal.
    Sempre o admirei pela sua discrição e humildade. Mas admiro também porque além de cantar e um homem culto, um operário que escreve bem, que compõe bem. Um operário que sabe o que faz.

    As maiores felicidades e que este livro seja uma outra maneira de fazer ou ensinar as pessoas a serem mais felizes.
    Beijinho

    Responder
    • Emanuel

      Querida Ana, muito obrigado pela sua simpatia. Esperemos sim, que o livro consiga tornar as pessoas mais felizes! Afinal de contas, foi para isso que todos nós nascemos :) Um grande beijinho!

      Responder